Inflação sobe nos vizinhos: na Bolívia, nem tanto

Em dados disponibilizados nesse início de dezembro, o Instituto Nacional de Estadística de Bolivia divulgou dados surpreendentes sobre o comportamento dos preços na Bolívia: apenas 0,96 % para novembro, ou seja, uma variação nesse percentual ante novembro do mesmo mês do ano anterior. Os componentes com as maiores variações de preços foram os seguintes: transportes (0,77 %), bebidas alcoólicas e tabaco (0,71 %), comunicações (0,57 %) e alimentos e demais bebidas (0,30 %).

O país hoje possui o menor índice de preços da América do Sul e, ao redor do mundo, está entre os campeões em baixa inflação.

No gráfico abaixo, o índice de preços boliviano é comparado ao mesmo índice dos países vizinhos:

Índice de preços, países sul-americanos selecionados: outubro de 2019 a novembro de 2021.

Algumas razões

Como o boliviano (moeda local) usa o dólar americano como moeda âncora (operando sob um regime fixo), a valorização do dólar implica em valorização do boliviano, e vice-versa, que é o que demonstra esse outro gráfico abaixo:

Índice DXY x índice de preços boliviano*: 22/12/2011 a 24/12/2021. *índice de preços vai até novembro de 2021.

Com o dólar voltando a ganhar força, o boliviano se beneficia.

Apesar de estar sob um governo abertamente socialista (Luis Arce foi ministro da economia de Evo Morales), o Banco Central de Bolivia tem sido um dos mais conservadores nesses tempos pandêmicos, de forma que o M1 (a soma de todas as cédulas e moedas metálicas em poder do público mais todos os depósitos à vista, o dinheiro mais líquido na economia) cresceu 13,92 % entre os meses de janeiro de 2020 e setembro de 2021, com uma queda considerável na sua taxa de crescimento em janeiro de 2021, entre os menores do mundo, estando menor do que na Alemanha e próximo da Suíça:

Variação do M1 (janeiro de 2020 a setembro de 2021), países selecionados.

Isso, somado aos bloqueios econômicos os quais causaram uma queda coercitiva na demanda dos indivíduos, causou uma pressão baixista nos preços no país.

Informações de Trading Economics e Instituto Nacional de Estadística de Bolivia.

Felipe Lange

Felipe Lange

Escritor, entusiasta de Economia e graduando em Biologia. Escreve e traduz artigos para o seu blog OCAL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *