Sol peruano valorizou 3,71 % só em 2022

Considerada a moeda mais sólida da América Latina por muitos anos (após o boliviano), o nuevo sol peruano tem sofrido muito desde as eleições do marxista Pedro Castillo, passando por grande volatilidade.

Todavia, com as posturas mais pragmáticas do Castillo, a moeda voltou a ganhar força.

Nesse dia 4 de fevereiro (17 horas no horário de Brasília), um dólar americano custou 3,83 soles, patamar próximo ao de 30 de junho de 2021.

A alta nos preços das commodities e a indicação do decano Julio Velarde para um quinto mandato no banco central peruano também trouxeram bons fundamentos para a moeda.

Semanas atrás, em declaração dada no Twitter, Pedro Castillo afirmou que o fortalecimento do nuevo sol peruano está relacionado à confiança do empresariado.

As exportações no país também atingiram alta histórica, em US$ 56,241 bilhões.

Apesar disso, mais incertezas permanecem no país, neste caso a recente renúncia da primeira-ministra Mirtha Vásquez, o que provocou uma nova mudança ministerial no governo.

A perspectiva fiscal do governo melhorou, já que o déficit ficou em – 4,7 % do PIB (ante 8,9 % do ano anterior), ao passo que a dívida subiu pouco, de 35,3 % para 36,6 % do PIB. O déficit em termos percentuais ficou próximo ao germânico e brasileiro.

A moeda peruana valorizou não apenas ante dólar, mas também ante euro, franco suíço e peso mexicano. Todavia, ante real brasileiro, o sol desvalorizou em – 2,78 %.

Desempenho de nuevo sol peruano ante as seguintes moedas: peso mexicano (roxo), franco suíço (amarelo), dólar americano (azul), euro (verde-água) e real brasileiro (laranja). Acumulado do ano até 04/02/2022, 17 horas do horário de Brasília.

Informações de Andina e Gazeta do Povo.

Felipe Lange

Felipe Lange

Escritor, entusiasta de Economia e graduando em Biologia. Escreve e traduz artigos para o seu blog OCAL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.