DXY quase em 100, rublo e euro em baixa e mais

A semana começou com mais agitações no mercado financeiro.

O índice DXY, índice que mensura a força do dólar ante as principais moedas do mundo, chegou a 99 pontos nesse dia 7 de março (99,05 pontos aproximados às 9 horas do horário de Brasília). É o maior valor em quase 2 anos. Em 27 de maio de 2020, os valores estavam próximos (99,09).

Tal alta é auxiliada tanto pelas posturas mais falconistas do Federal Reserve System (indicando que pode haver um aumento ainda mais intenso nos juros caso a carestia não ceda) quanto pela maior procura pela moeda, diante de incertezas da guerra na Ucrânia.

Com indicações de um fim incerto na guerra, o rublo russo continuou em forte desvalorização, acumulando desvalorização de – 47,23 % no ano. O dólar hoje custa mais de 138 rublos, uma nova alta histórica.

Apesar disso, o real brasileiro continua em valorização, assim como o nuevo sol peruano.

Desempenho de moedas selecionadas ante dólar americano (acumulado do ano até aproximadas 9 horas do horário de Brasília de hoje): real brasileiro (laranja), nuevo sol peruano (lilás), peso chileno (roxo) e euro (amarelo). Índice DXY está em verde água.

O preço do ouro também chegou à mais uma alta, chegando a custar US$ 2000 a onça troy, pela primeira vez desde agosto de 2020. Apesar disso, o real também se valorizou até em relação ao metal, algo bastante incomum.

Desempenho do preço da onça troy de ouro (acumulado do ano até aproximadas 9 horas do horário de Brasília de hoje): dólar americano (azul) e real brasileiro (laranja).
Felipe Lange

Felipe Lange

Escritor, entusiasta de Economia e graduando em Biologia. Escreve e traduz artigos para o seu blog OCAL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.