Banco Central eleva SELIC para 11,75 %; Fed leva juros a 0,5 %

Na 245ª reunião, o Comitê de Política Monetária decidiu, de maneira unânime, em elevar a taxa básica de juros em 100 pontos base, de 10,75 % para 11,75 %, conforme o esperado por parte do mercado. É o maior valor desde o que vigorou entre as datas de 04/12/2014 e 21/01/2015, na 187ª reunião.

O Comitê ressaltou os seguintes pontos:

  • As condições externas se deterioraram por causa dos conflitos na Ucrânia;
  • Atividade econômica brasileira com desempenho acima do esperado;
  • Um cenário alternativo deve ser pensado em vista aos preços internacionais do barril de petróleo;
  • Diante de expectativas de inflação alta por mais tempo, a política deve continuar em território mais contracionista;
  • Apesar da melhora nas contas governamentais, continua alguma incerteza em seu arcabouço fiscal, embora parte desse risco já está sendo incorporado de maneira parcial nas expectativas de inflação e preços de ativos;

Em maio o COPOM espera que o ajuste da SELIC seja feito na mesma magnitude.

Taxa de juros brasileira, últimos dez anos.

No mesmo dia, o Federal Open Market Committee (comitê que decide a política monetária do banco central americano), decidiu em elevar os juros a 0,5 % (a meta passa ser então de 0,25 a 0,5 % anuais). É a primeira elevação de juros desde março de 2018.

Taxa de juros americana, últimos cinco anos.

Tal decisão foi feita conforme o previsto pelos agentes econômicos.

O comitê disse que os indicadores econômicos do país continuam se fortalecendo e que a invasão na Ucrânia criará pressões inflacionárias adicionais na economia, além de criar incertezas econômicas.

Entre os membros do comitê, a maioria votou pela elevação na ordem de 0,25 ponto percentual (oito), ao passo que um membro votou contra, pedindo por elevação mais intensa, na ordem de 0,5 ponto percentual (James Bullard), ou seja, o mais falconista dos membros do comitê.

Além disso, o Federal Reserve System irá reduzir a sua posse de ativos tais como títulos do Tesouro e títulos lastreados em hipotecas, o que é esperado em uma próxima reunião.

Os juros americanos de longo prazo (os sobre os títulos de dez anos) continuaram sua trajetória de alta, tendo chegado a 2,19 % na data de hoje.

Juros americanos de dez anos, acumulado do ano até 18 horas UTC-3 do dia de hoje.

A expectativa é de que haja mais seis aumentos de juros ainda nesse ano.

Informações de Trading Economics e Federal Reserve.

Felipe Lange

Felipe Lange

Escritor, entusiasta de Economia e graduando em Biologia. Escreve e traduz artigos para o seu blog OCAL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.