Bolívia: perfuração de poços em área de preservação cria polêmica

Uma grande marcha por grupos ambientalistas está prevista para ocorrer nessa semana na Bolívia, segundo informa El Deber. Tal marcha possui o objetivo de interromper o projeto de exploração de petróleo pela YPFB Chaco S.A., a subsidiária da estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos, a maior petroleira da Bolívia. 

A YPFB irá explorar parte da região onde se situa a Reserva Nacional de Flora y Fauna de Tariquía, uma das inúmeras áreas atualmente protegidas no país. Tal reserva foi criada pela Lei Nº 1328, 23 de abril de 1992 e é gerenciada pelo Servicio Nacional de Áreas Protegidas, uma autarquia estatal boliviana.

Apesar da oposição, parte das comunidades locais apoiou o investimento, que será na ordem de US$ 50 milhões e deverá ocupar um percentual de 0,004 % da superfície da reserva. O projeto prevê a perfuração do poço Astillero (AST-X1). Está sendo realizado um estudo de impacto ambiental e com medidas visando minimizar os danos à fauna e à flora locais.

Desde 2018, ainda sob o governo Evo Morales, a YPFB já pretendia explorar a região, o que seria feito em parceria com a Petróleo Brasileiro S.A. (a Petrobras), tendo sido interrompido durante o governo da presidente interina Jeanine Áñes, em 2020.

Informações de El Deber.

Felipe Lange

Felipe Lange

Escritor, entusiasta de Economia e graduando em Biologia. Escreve e traduz artigos para o seu blog OCAL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.