Risco-país brasileiro chega a quase 300 pontos base

O chamado CDS (Credit Default Swap) subiu 41,17 % apenas no acumulado desse ano de 2022.

CDS de 5 anos, 10/04/2017 – 08/07/2022.

Tal mensurador funciona como uma espécie de seguro contra calotes na dívida externa: quanto maior a pontuação, maior o risco de calote. Os atuais valores estão nas máximas desde meados de 25 de maio de 2020.

Como fatores para a alta, destacam-se os riscos fiscais ante incertezas eleitorais (ante a PEC que amplia benefícios sociais fora do teto fiscal) e a aversão mundial ao risco, já que a procura pelos chamados Treasuries aumentou, tanto por temores de recessão global quanto pela minuta do comitê de política monetária do Federal Reserve indicando posturas falconistas, o que pressionou o índice DXY, tendo atingido 107 pontos nos últimos dias, uma alta de quase 20 anos.

Apesar da alta no Brasil, podemos ver um comportamento similar em emergentes como o México, que possui um comportamento fiscal mais austero e está em um ano não-eleitoral.

CDS de 5 anos no México, mesma periodicidade.

O país hoje está com um CDS de 182,87 pontos.

Para os peruanos, o risco foi registrado em 233 pontos-base (em dados da última semana de junho). Na Argentina, o risco registrado fora de 2.654 pontos-base (no dia 6 de julho).

Devido à carência de dados sobre os países latino-americanos vizinhos, não foi possível fazer uma comparação precisa e se espera que a metodologia utilizada seja a mesma para os dados compilados.

Felipe Lange

Felipe Lange

Escritor, entusiasta de Economia e graduando em Biologia. Escreve e traduz artigos para o seu blog OCAL

One thought on “Risco-país brasileiro chega a quase 300 pontos base

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.